O CAMINHO DE VOLTA

O ENREDO
Pedro tem 33 anos e aquilo a que muitos chamariam uma vida perfeita. Tudo lhe corre de feição. Pelo menos, durante o dia. À noite é atormentado por estranhos pesadelos. Imagens de um acidente de viação, com pessoas vagamente familiares, mas que ele não se lembra de ter visto, começam a tornar as suas noites incómodas.

Os pesadelos aumentam de frequência e Pedro começa a sofrer alucinações, o que coloca  em risco o seu emprego e a sua família. Durante um jantar num restaurante, Pedro sofre um ataque de pânico e é levado para o hospital.

Quando acorda, os médicos informam-no que esteve em coma durante trinta anos após ter sido vítima de um atropelamento. E aí começa a sua história.

A BASE
Penso que o pior que pode acontecer a alguém que tem tudo na vida é acordar um dia e descobrir que isso não passa de uma ilusão. Na minha opinião, é algo que inquieta mais do que perder aquilo se tem, pois sempre se teve qualquer coisa durante algum tempo.

Quis escrever uma história sobre isso e sobre o processo de regresso à ilusão. Para isso conjuguei elementos reais sobre pessoas que estiveram em coma durante muitos anos – o seu despertar, o choque que a mudança de tempos, de mentalidades, lhes causou – com elementos do fantástico.

Pedro vivia num mundo de ilusão e acordou para a realidade ou será que foi o contrário? Ninguém sabe ao certo o que acontece quando estamos em coma e isso deu-me liberdade suficiente para tentar escrever uma história suficientemente credível, embora tenha tomado algumas liberdades do ponto de vista neurológico.

O CAMINHO DE VOLTA – Versão Final em revisão. Será colocada aqui brevemente.

 

E não se esqueça. Se gostou deste artigo, partilhe-o e/ou deixe o seu comentário. Será bem vindo.

 

E se for produtor ou realizador e estiver (nem que seja vagamente) interessado nesta proposta, contacte-me.


Anúncios

Sobre Joel G. Gomes

Escritor, guionista e cronista. Autor dos romances "Um Cappuccino Vermelho" e "A Imagem". Autor do livro 'Um Cappuccino Vermelho'. Guionista das curtas-metragens 'O Atraso' (realizada por David Rebordão) e 'A Chamada' (realizada por Vasco Rosa). Cronista regular nos jornais O Rio, Jornal do Barreiro, O Primeiro de Janeiro, Jornal da Bairrada e, menos regularmente, nos jornais Voz da Póvoa e Jornal do Alto Alentejo.
Esta entrada foi publicada em Longas-metragem com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Muito obrigado pelo seu comentário. Note que esta é uma mensagem automática, por isso estou a agradecer um pouco às cegas. Quero acreditar que o bom gosto que o/a trouxe aqui se estende à qualidade do seu discurso.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s